terça-feira, 5 de dezembro de 2006

Adaptação humana/Corpo sensível

Encarar o corpo humano como arquitectura evolutiva, um corpo que se sente sensível. O que sentimos no interior do nosso corpo é difícil de definir, talvez por não ser facilmente localizavél. A necessidade de nos movimentar, antes mesmo de o começarmos a fazer, desencadeia uma série de sensações no corpo. Quando corremos, pulamos, nadamos, esmurramos e por ai fora, temos sensações que percorrem o interior do nosso corpo, que estão para além da sua superfície, mas das quais estamos pouco conscientes. São sensações que não surgem só com o movimento. A raiva, a alegria, a paixão, o ciúme, o entusiasmo, a amargura, a inspiração, são também constituídas por fortes sensações que envolvem todo o nosso corpo e não apenas a mente.

1 comentário:

cris_tina disse...

muito bem! gostei bastante do teui trabalho e realmente já andava curiosa com este mesmo antes de publicares a origem dos mesmos e não me arrependi de vir até aqui e conhecer um pouco mais desta investigação acerca do corpo evolutivo... crias bastante espaço especulativo em torno dos teus desenhos uma característica deveras interessante, continua!